Causadora das infecções comuns de garganta, as bactérias da espécie Streptococcus pyogenes, pertencem à classificação do gênero beta-hemolítico do grupo A sendo comumente chamado de Strep A. Além dessas infecções, elas também podem causar outras doenças de importância clínica como infecções na pele (impetigo), febres e até mesmo causar choque séptico levando a morte. Por caracterizar a famosa dor de garganta, a identificação dessas infecções acaba sendo importante até pela diferenciação da Covid-19.

As bactérias do Strep A possuem a morfologia de coco, crescendo otimamente em na temperatura de 37ºC e sendo inibida por altas concentrações de glicose. Elas habitam naturalmente algumas áreas do corpo como boca, garganta e até mesmo a pele. Sua colonização no corpo humano pode ser majoritariamente assintomática, no entanto, devido a condições de desequilíbrio, tanto de outros microrganismos presentes ou do sistema imune do hospedeiro, elas podem crescer substancialmente causando doenças, sendo a faringoamigdalites as mais comuns.

O diagnóstico para Strep A consiste em cultura de amostras retiradas do paciente, observação através de microscópios e com coloração de Gram. Análises microbiológicas com antibiograma podem fechar o diagnóstico. É possível também realizar a sorologia, no entanto, como muitas pessoas podem estar sujeitas ao contato com estas bactérias de forma assintomática, não acaba sendo uma ferramenta muito utilizada para diagnosticar uma doença do grupo.

Uma ferramenta extremamente útil, acaba sendo os testes de detecção de antígenos presentes em amostras coletadas do paciente. No caso das faringoamigdalites, é feita uma coleta por swab orofaríngeo e através desta amostra, é possível detectar de forma rápida e não laboriosa a presença de uma infecção por Strep A. A detecção clínica e rápida, por metodologias Point-of-Care, acaba sendo muito importante na diferenciação por infecções virais, excluindo uma infecção estreptocócica, onde evita o risco de má administração de antibióticos podendo gerar resistência microbiana.

A Biosys possui o teste ichroma™ STREP A, um teste de detecção rápida e fácil, por imunofluorescência que utiliza swabs coletados de amostras da garganta. Possuímos uma gama de testes capazes de detectar rapidamente diferentes agentes etiológicos para sintomas respiratórios que podem ser extremamente úteis na prática clínica. Para mais informações, consulte nosso site.

 

REFERÊNCIAS:

BIER, Otto – Bacteriologia e Imunologia. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1966.

Cunningham MW. Pathogenesis of group A streptococcal infections. Clin Microbiol Rev 2000; 13:470-511.

SCALABRIN, Rozana; BUSS, Gisele D.; IAMAGUCHI, Kelly Cristina S.; CARDOSO, Celso Luiz; GARCIA, Lourdes B. Isolamento de Streptococcus pyogenes em indivíduos com faringoamigdalite e teste de susceptibilidade a antimicrobianos. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2003.

FILHO, Bernardo Cunha Araujo; IMAMURA, Rui; SENNES, Luiz Ubirajara; SAKAE, Flávio Akira. Papel do teste de detecção rápida do antígeno do estreptococcus beta-hemolítico do grupo a em pacientes com faringoamigdalites. Rev. Bras. Otorrinolaringol, v. 72, ed. 1, 2006.